15 maio 2017

O PLANETA DOS MACRÓBIOS

Por
Francisco José Soares Torres
Médico - Crateús - CE










"Para consolo geral, todo moço, de hoje ou de ontem, é sempre um velho em potencial". Foi assim que nos denominou a todos, tanto moços como velhos - se tivéssemos a ventura ou mesmo a desventura de sobrevivermos - aquele para sempre torturado poeta, ainda na pele do jovem Alberto Caeiro ou já no couro do velho Fernando Pessoa, ao lembrar que ninguém escapa ao envelhecimento e à morte, bem como no dizer do antigo grego de Os Trabalhos e os Dias: "nenhum homem pode furtar-se à lei do trabalho, assim como nenhuma raça pode evitar a lei justiça", assim como ninguém também pôde até hoje reproduzir as proezas amorosas do lendário Dr Fausto impunemente, pois até ele perdera, para sempre, a própria alma vendendo-a ao Demônio, e nem mesmo o autor, o anoso Goethe conseguiu ser amado como pretendia pela jovem Ulrik de dezoito anos, permitindo-nos concordar com o amargurado poeta lusitano em que, afinal, não passamos, em qualquer instância, de meros "cadáveres adiados".

Depois de largo prazo ultramarino o maranhense de São Luis, Aluísio Azevedo antecipara na obra O Cortiço como viriam a se tornar as relações de vizinhança das grandes metrópoles mundiais denunciando os tipos de moradia nos edifícios de habitação coletiva de baixo padrão dos dias de hoje, as convivências sociais claramente neutras ou, pior ainda, fortemente hostis e adversas ao bom convívio social encontradas nesses aglomerados urbanos onde, principalmente os idosos, são literalmente "descartados" do convívio, ao contrário do que, com certeza, ocorria em algumas remotas civilizações orientais onde as condições de vida em geral não favoreciam a longevidade, como entre os chineses e os hebreus por exemplo, e nessas pequenas e isoladas populações os velhos ocupavam posição de destaque dentro das famílias sendo tratados por todos com veneração e respeito.

Mas o que poderia ter deslocado o eixo da questão "desalavancando" a gangorra, desde a Antiguidade onde a expectativa de vida não ultrapassava os dezoito anos, passando pela Idade Média e Renascença para atingir os vinte e cinco anos de esperança de vida, até a Modernidade a ponto de Carlos V ser conhecido como "o velho sábio" com apenas quarenta e dois anos de idade e chegar ao século XIX com a estimativa de vida dando uma guinada ascendente, época em que já se contava com cerca de 12% de sexagenários para finalmente, no século XX alguns países a partir dos anos sessenta, liderarem o "ranking" mundial de octogenários"?

O grande avanço nas melhorias das condições de existência da humanidade especialmente devido aos progressos da medicina do século XXI permitiu a eclosão do chamado "milagre da ancianidade" podendo já se profetizar o porvir de um mundo povoado por "macróbios" o que nos levaria inevitavelmente a assistir um estranho espetáculo se não surgissem verdadeiras revoluções estéticas de gosto exótico nas futuras gerações no tocante à aceitação sem repulsa, por parte dos jovens, em relação à população vegetativa, evitando que dentro de um tempo não muito longevo o envelhecimento dos habitantes da Terra levasse ao desaparecimento gradativo dessa população até a lenta, porem inexorável extinção de velhos no planeta.

Antes que isso pudesse acontecer, essa população de desvalidos dos meios de garantia da própria subsistência faria parte de um grupo abandonado e desamparado, condenado a passar os últimos anos de sua vida em estado de completa miséria e perfeita solidão, pois já se iniciam as longas e custosas viagens espaciais, quando o homem tentará ocupar outro planeta em qualquer recanto do sistema solar ou outro canto ignorado do espaço sideral onde constituirá uma "nova humanidade" e aqui deixará, para apodrecer, se lhe aprouver e sem hesitações, as gemas estragadas postas por sua galinha dos ovos "goros", balizando-se em novíssimos preceitos de coexistência social para a preservação do Novo Homem no Cosmo, ou possa ser que simplesmente esses supercivilizados homens do futuro recomessem, imitando antigos nativos das Ilhas Fiji, a comer os velhos, em suas longas viagens pelo espaço.


Mas que importa viver algumas centenas de anos com o corpo carcomido e devastado por fadigas e desgastes, se não se puder protrair e dilatar a juventude, ao invés de simplesmente prolongar a longevidade? O mais provável é que a Terra dos Velhos venha a ser povoada e governada por uma "gerontocracia" retrógrada e resistente à tecnologia do futuro, presa aos preconceitos do passado, e que o seu planeta, envenenado por gases tóxicos, acabe por se transformar em uma rocha inerte, um astro sem vida, um planeta morto girando eternamente no espaço frio do universo, asfixiado por derivados do carbono exalados de suas velhas e poluentes fábricas, definitivamente esmagado pela incapacidade de governo de sue líderes políticos, pondo em poderosa dúvida os modelos de longevidade antigos da sábia sabedoria dos profetas do Velho Testamento, três dos quais viveram respectivamente cento e vinte, cento e trinta e sete e cento e setenta e cinco anos!
______________________________________

Francisco José Soares Torres 

Nenhum comentário:

O PLANETA DOS MACRÓBIOS

Por Francisco José Soares Torres Médico - Crateús - CE centromedicodecrateus@gmail.com "Para consolo ger...